De São Francisco de Assis: “Senhor Fazei-me instrumento de vossa paz”

Hoje, 4 de outubro, é o Dia de São Francisco, um dos santos mais queridos do mundo cristão católico, padroeiro do meio ambiente, dos animais… ele que evangelizou o mundo do seu tempo (e continua evangelizando) pelo seu exemplo de vida muito simples, e totalmente dedicado a Nosso Senhor Jesus Cristo, nas pessoas dos seus irmãos mais pobres e menos favorecidos, um grande defensor da paz.

Uma das orações mais bonitas do santo, cantada e rezada no mundo inteiro, é a Oração de São Francisco, que trata da Paz e do Perdão.

Oração que merece ser cantada, rezada, refletida… intensamente, nesses tempos em que estamos vivendo, de guerras, mortes, medos, fome, pandemias, violência desenfreada, ódio… que flagelam grande parte da humanidade, especialmente a mais pobre e menos favorecida, a grande maioria..

Oração que deve ser cantada por todo o Brasil, já que somos um grande país cristão, que estamos vivendo um triste momento de radicalismo e polarização política (pra não dizer politiqueira) que está dividindo praticamente ao meio a nação brasileira, gerando ódio, violência, morte, desrespeito… entre amigos, vizinhos, até familiares… que estão se degladiando em prol de suas ‘verdades’ que não levam a lugar nenhum, gerando sofrimento e dor.

No Dia de São Francisco, e nos dias seguintes, para que tudo que citamos acima, se acabe, ou pelo menos diminua, vamos pedir ao Santo, e colocar em prática a sua bela Oração: “Senhor fazei-me instrumento de vossa paz”.

Oração de São Francisco

Senhor, fazei-me instrumento de vossa paz
Onde houver ódio, que eu leve o amor
Onde houver ofensa, que eu leve o perdão
Onde houver discórdia, que eu leve união
Onde houver dúvida, que eu leve a fé

Onde houver erro, que eu leve a verdade
Onde houver desespero, que eu leve a esperança
Onde houver tristeza, que eu leve alegria
Onde houver trevas, que eu leve a luz

Ó mestre, fazei que eu procure mais consolar que ser consolado
Compreender que ser compreendido
Amar que ser amado
Pois é dando que se recebe
É perdoando que se é perdoado
E é morrendo que se vive
Para a vida eterna

Ó mestre, fazei que eu procure mais consolar que ser consolado
Compreender que ser compreendido
Amar que ser amado
Pois é dando que se recebe
É perdoando que se é perdoado
E é morrendo que se vive
Para a vida eterna

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *