Da urna ao resultado: entenda o caminho do voto

Neste domingo (2.out.2022), milhões de brasileiros vão às urnas para o 1º turno das eleições. A apuração começa às 17h (horário de Brasília), e o resultado é divulgado no mesmo dia.

O processo eletrônico de votação começa com a verificação da urna eletrônica, passa pela transmissão de dados a partir de pendrives e termina com a totalização e a divulgação dos resultados pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

VOTAÇÃO

Quando ligada no dia da eleição, por volta das 7h30, a urna analisa todos os softwares que estão instalados. Se verificar qualquer alteração nos códigos e sistemas que foram anteriormente inseridos, o equipamento informa a existência de irregularidades.

Depois de testados os softwares, a urna imprime um relatório chamado conhecido como “zerésima”, que contém a identificação do equipamento e serve para mostrar que não há nenhum voto registrado naquela urna. Ou seja, que os candidatos não têm votos contabilizados. Os 2 procedimentos são acompanhados por mesários e pelos fiscais dos partidos políticos.

VOTAÇÃO ENCERRADA

Encerrada a eleição, os votos são apurados e a urna cria o Boletim de Urna, extrato de todos os votos registrados no equipamento. Além dos votos, o extrato registra a seção eleitoral em que está o equipamento e o número de eleitores.

São impressos obrigatoriamente ao menos 5 boletins. Um é fixado na porta do local de votação, para dar publicidade ao resultado; 3 são juntados a uma ata da seção eleitoral que é encaminhada a um cartório eleitoral; e a última é entregue aos representantes ou fiscais dos partidos políticos. Se necessário, é possível imprimir mais boletins.

TRANSMISSÃO

Depois, o boletim e demais arquivos do resultado naquele local de votação são gravados em um pendrive, que é conectado diretamente à urna. Os dados são criptografados, de modo a impossibilitar a leitura do conteúdo, salvo pela Justiça Eleitoral, que tem um sistema próprio para decifrar as informações.

O pendrive é levado a um local de transmissão, que pode ser um cartório eleitoral, o próprio local de votação ou a sede dos TREs (Tribunais Regionais Eleitorais) de cada Estado e do Distrito Federal. Os dados são enviados ao TSE por meio de uma rede de uso privado da Justiça Eleitoral.

TOTALIZAÇÃO E DIVULGAÇÃO

O computador do TSE que recebe os dados faz uma espécie de “check-list” assim que recebe as informações. Verifica, por exemplo, se a assinatura digital é válida, garantindo que o resultado veio de fato de uma urna eletrônica correspondente a determinado local de votação.

Só depois de confirmadas essas informações é que o TSE totaliza os votos, mostrando quantos deles os candidatos receberam. Em alguns momentos, os computadores conseguem totalizar até cerca de 2 milhões de votos por segundo. Conforme apurados os dados, vão sendo divulgados na internet até todas as urnas serem apuradas.

Com informações de Poder360

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *