Embaixador da União Europeia no Brasil critica Lula por postura com Venezuela, Cuba e Nicarágua

Foto: Cristiano Mariz/Agência O Globo

O embaixador da União Europeia no Brasil, Ignacio Ybáñez, criticou, indiretamente, neste domingo (5), a postura do presidente Luiz Inácio Lula da Silva em relação aos regimes autoritários de esquerda em suas últimas viagens internacionais, em janeiro deste ano.

O diplomata usou um artigo publicado pelo colunista do GLOBO e da “Folha de S.Paulo” Demétrio Magnolli no qual analisa o discurso do presidente na Comunidade dos Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celec).

No artigo deste domingo, publicado na “Folha”, Demétrio aponta a falta de crítica por parte de Lula aos regimes da Venezuela, Cuba e Nicarágua. O colunista afirma que o presidente desperdiçou a “oportunidade de levantar a voz por eleições livres na Venezuela, uma abertura política em Cuba e o fim da selvagem repressão do regime de Ortega na Nicarágua”.

Ybáñez postou o artigo nas redes sociais e destacou o verso “O tempo passou na janela e só Carolina não viu”, de Chico Buarque, citado no artigo de Demétrio Magnolli.

O Globo

Após depoimento, Marcos do Val afirma que citou nome de Bolsonaro por impulso

Depois de prestar depoimento à Polícia Federal nesta quinta-feira (2), o senador Marcos do Val (Podemos-ES) se mostrou arrependido por envolver o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) na história sobre um suposto plano de golpe de Estado que envolvia gravar conversas com o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF).

“Tem coisas que não deveriam ter sido ditas. É a questão da falta daquela malícia de um político que eu nunca fui”, disse Marcos do Val, em entrevista à imprensa.

Na noite de quarta-feira (1º), o senador participou de uma live nas redes sociais e acusou Bolsonaro de o ter coagido a dar um golpe de Estado junto com ele. Marcos do Val, no entanto, justificou que fez a afirmação depois de ter sido criticado na internet por apoiadores do ex-presidente após ter parabenizado o senador Rodrigo Pacheco (PSD-MG) pela reeleição à Presidência do Senado.

“Começaram a me atacar, dizendo que eu tinha mentido. Disseram que eu era traidor e teve movimento enorme, até 2 da manhã. Minha família inteira recebeu mensagem. Você chega em um nível de irritabilidade gigantesco. Chega uma hora que você não suporta. E aí, [a declaração na live] foi um desabafo”, explicou o senador.

Na manhã desta quarta, Marcos do Val mudou a versão sobre Bolsonaro e disse que partiu do ex-deputado Daniel Silveira (PTB-RJ) a ideia de marcar uma reunião com Moraes para forçá-lo a reconhecer que desrespeitou a Constituição no processo eleitoral de 2022.

Após ser interrogado pela Polícia Federal, ele reforçou as acusações contra o ex-deputado. “Hoje, a pessoa que estava provocando essa situação toda, o Daniel Silveira, está no lugar que deveria estar e não deve sair de lá”, comentou Marcos do Val, em referência à prisão de Silveira por descumprimento de medidas cautelares impostas pelo STF.

R7

Deputado estadual Neílton Diógenes toma posse na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte

Foto: O deputado ladeado pelo amigo Dr. Cid Pereira ( de São Tomé) e por sua esposa

Em sessão Solene realizada na manhã de ontem (1º) na Assembleia Legislativa do RN, em Natal, os 24 deputados e deputadas estaduais, eleitos ou reeleitos no pleito de outubro passado, tomaram posse para o mandato 2023/2027.

Dentre os empossados estava o jovem deputado, em 1º mandato, Neílton Diógeses, da cidade de Apodi/RN

SÃO GONÇALO: Prefeito Eraldo prestigia posse de Mineiro como Deputado Federal em Brasília

O prefeito de São Gonçalo do Amarante, Eraldo Paiva (PT) foi a Brasília para a posse do deputado federal Fernando Mineiro (PT).

“Tive a honra de prestigiar a posse do amigo e companheiro Mineiro como deputado federal. Emocionante para mim que acompanho desde sempre a trajetória desse professor que defende o povo. Aprendi muito com Mineiro sobre política, fiz campanha para ele e com ele, assim como ele me acompanhou também em muitas lutas. Estivemos juntos até aqui e continuaremos”, postou Eraldo em suas redes sociais.

“São Gonçalo do Amarante tem um representante aguerrido na Câmara Federal, não tenho dúvidas. Mineiro fará um mandato incrível que certamente vai fazer nosso município avançar cada vez mais”, reforçou Eraldo.

Por unanimidade, Ezequiel é reeleito presidente da Assembleia para primeiro e segundo biênio

Deputado estadual Ezequiel Ferreira (PSDB) – Foto: ALRN

O deputado estadual Ezequiel Ferreira (PSDB) foi reeleito, na manhã desta quarta-feira 1º, presidente da Assembleia Legislativa para o biênio 2023-2025. Logo depois, o deputado Francisco do PT solicitou que houvesse a votação para o segundo biênio (2025- 2027) elegendo novamente Ezequiel. O deputado pleiteava como candidato único e foi eleito por unanimidade, obtendo os votos de todos os 24 deputados estaduais. A proclamação do resultado ocorreu às 11h36, logo após votação secreta no plenário da Casa.

“Quero agradecer a cada deputado deste parlamento, que se fortalece com a união, que sabe que é uma Casa plural, de diálogo, também de convergência. O que temos hoje aqui é a demonstração da maturidade de uma Casa legislativa que avança a passos largos”, afirmou o presidente reeleito.

A solenidade foi acompanhada pela governadora do RN, Fátima Bezerra (PT), autoridades estaduais, prefeitos e presidentes de câmaras municipais.

Agora RN

Governadora Fátima Bezerra prestigiou a posse dos deputados estaduais eleitos para o mandato 2023/2027

Foto: Governadora Fátima com o Editor deste Blog

A Governadora do Rio Grande do Norte, Fátima Bezerra, esteve presente na manhã de hoje, 1º de fevereiro, na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte, em Natal, para prestigiar a posse dos 24 parlamentares eleitos para o mandato 2023/2027.

A Governadora foi recebida pelo presidente daquela Casa, seu correligionário deputado Ezequiel Ferreira, demais parlamentares, além de outras autoridades. Fátima cumprimentou a todos, concedeu entrevista à imprensa e tirou fotografias.

A Governadora Fátima concedendo entrevista à imprensa

24 deputados (as) estaduais tomaram posse hoje (1º) na Assembleia Legislativa do RN; dentre eles, a deputada Terezinha Maia

Foto: Este Editor, deputada Terezinha, Naldinho e Bregão

Na manhã desta quarta-feira, 1º de fevereiro, aconteceu a posse de 24 deputados e deputadas estaduais, eleitos ou reeleitos no pleito de outubro passado, para a 63ª Legislatura 2023/2027. A Sessão Preparatória de Posse ocorreu no Plenário Clovis Mota, na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte, em Natal.

Presentes todos os 24 parlamentares, dentre eles, a deputada estadual Terezinha Maria, que em São Paulo do Potengi contou com o apoio do grupo político liderado pelo ex-prefeito Naldinho, que também coordenou a sua campanha política. Naldinho, atendendo convite de Dona Terezinha, já assumiu a coordenação política do gabinete da parlamentar.

Também participaram da Sessão Solene, inúmeras autoridades civis, militares e eclesiásticas, a exemplo da governadora Fátima Bezerra, familiares e convidados dos deputados.

‘Eu e o presidente Lula somos sócios’, diz Tarcísio de Freitas, governador de SP e ex-ministro de Bolsonaro

O governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), disse que agora ele e o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) são “sócios”. Em evento na capital paulista, o ex-ministro de Jair Bolsonaro (PL) afirmou que terá uma relação “republicana” com o governo federal e que, apesar de ser de um campo político diferente do de Lula, não torce para o governo dar errado.

— Eu e o presidente Lula somos sócios. A gente vai ter que torcer e trabalhar para que o Brasil vá bem — disse o governador de São Paulo.

Segundo Tarcísio, não há como São Paulo “ir bem” se o Brasil vai mal. E nem o contrário.

— Eu sou de um campo político diferente do atual presidente, a gente pensa absolutamente diferente. Sou de outro lado, sou de outro campo, sou um cara liberal, mas eu não torço para o Brasil dar errado. E quando o pessoal fala assim: Tarcísio, qual vai ser a sua relação com o governo federal? Simples, republicana — completou o governador.

Tarcísio tem mantido um contato direto e frequente com Lula. Ele já esteve em Brasília reunido com o presidente em duas ocasiões: após os atos terroristas de 8 de janeiro e no último dia 11, para discutir a privatização do do Porto de Santos. O governo federal é contrário à medida, mas Tarcísio tem insistido, apesar de seus próprios aliados considerarem quase impossível que Lula ou Márcio França (PSB), ministro de Portos e Aeroportos, mudem de opinião.

—Estou lá eu trabalhando, porque sou brasileiro e não desisto nunca, para convencer o governo que a gente tem que fazer a privatização do Porto de Santos. Está pronto. Vai ser um espetáculo —disse Tarcísio, que chamou a privatização de “renascimento da Baixada Santista”.

O governador falou ainda em aliar a questão porto-indústria, fazer um regime de incentivo, aproveitar todas as áreas ociosas de Cubatão e transformar o porto de santos no maior hub de contêiner da América Latina.

— Estou falando de emprego na área do turismo, do comércio exterior, é transformador. E vamos jogar esse projeto para baixo do tapete por uma questão ideológica? — questionou o governador, falando à plateia que é preciso “pautar para não ser pautado”.

No evento, Tarcísio disse que vai fazer um “alívio tributário” paulatino à medida em que as contas do estado suportarem. Segundo ele, o governo não pretende aumentar impostos.

— Mesmo que caia a essencialidade, o estado de São Paulo deve manter a alíquota. Estamos percebendo que as contas estão suportando — declarou o governador, dizendo que vai reduzir despesas na máquina pública. — Há uma pulverização de recursos do orçamento em uma série de programinhas que recebem um pouquinho de recurso e não vão ter efetividade nenhuma. Vamos diminuir a quantidade de programas, vamos condensar programas.

Tarcísio ainda afirmou que vai acabar com “vários organismos no governo” que não fazem nada e são “cabides de emprego”.

Outra aposta do governo será na área ferroviária e hidroviária.

— Vamos procurar despertar aqui duas vocações de São Paulo que estão adormecidas. O estado de São Paulo cresceu às margens das linhas dos trens. E os trens pararam de operar. A gente tem que trazer os trens de volta. E segundo: aproveitar o potencial hidroviário, que a gente não está aproveitando e com alguns investimentos simples a gente passa a usar muito a capacidade hidroviária que nós temos que hoje está adormecida, por exemplo, da hidrovia do Tietê.

O Globo 

Deputados estaduais tomam posse hoje (1º) na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte

Logo mais às 9 horas, no Plenário Clovis Mota, na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte, em Natal, acontecerá a Sessão Preparatória de Posse dos Deputados Estaduais (eleitos ou reeleitos no pleito de outubro passado) da 63ª Legislatura (2023/2027).

Na oportunidade, também será eleita a nova Mesa Diretora daquela Casa Legislativa.

Cobertura aqui no Blog.

Bolsonaro entra com pedido de visto para prorrogar estadia nos EUA

O ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), que está nos Estados Unidos desde o fim do ano passado, quer prorrogar a estadia no país e entrou com um pedido de visto de turista, para aumentar o prazo de permanência por mais seis meses. A informação foi publicada pelo jornal britânico Financial Times nesta 2ª feira (30.jan), e confirmada pelo SBT News.

Segundo o jornal, o ex-presidente fez um pedido junto à consultoria AG Immigration, com sede na capital Washington, e que faz o serviço de pedidos de vistos de forma direta. A consultoria confirmou estar atendendo o ex-chefe do Executivo.

Bolsonaro embarcou para o estado da Flórida em 30 de dezembro. Ele viajou antes da cerimônia de posse, em 1º de janeiro, deixando de participar da tradicional troca de faixa entre antecessor e presidente eleito.

Com avião presidencial, a entrada do ex-mandatário se deu com o visto diplomático. Mas, conforme divulgado no início do mês pelo porta-voz dos EUA, Ned Price, o tipo de autorização tem um prazo de validade de 30 dias — a contar do fim das atividades diplomáticas. Price não comentou especificamente sobre o caso de Bolsonaro, mas a regra é de deportação ou que a pessoa deixe o país, por deixar de ter visto. A alternativa é fazer um pedido de permanência como turista, conforme fez Bolsonaro.

Em nota, a AG Immigration afirmou que trabalhará para atender o pedido de Bolsonaro. “Essa mesma dedicação será aplicada ao caso do Sr. Bolsonaro, para que os objetivos pretendidos pelo cliente sejam alcançados em total plenitude”, diz trecho do comunicado.

SBT News

Em jantar do PL, Bolsonaro discursa online e diz que seu projeto é “imorrível”

O ex-presidente Jair Bolsonaro discursou à distância, na noite desta segunda-feira, em jantar do seu partido, o PL, em Brasília, para promover a candidatura de Rogério Marinho à presidência do Senado.

Sem entrar em detalhes sobre as razões para continuar nos Estados Unidos, Bolsonaro afirmou que ele e seus apoiadores construíram um projeto com valores, segundo o ex-presidente, “imorrível”.

A ex-primeira dama, Michelle Bolsonaro, que compareceu ao jantar, fez ligação de vídeo com Bolsonaro para que ele pudesse falar com os convidados.

“Quero cumprimentar todos vocês pela união e pelo espírito patriótico, pela vontade de cada vez mais resgatar os nossos valores do Brasil. Essa é a tradição do povo brasileiro, é a nossa cultura, nossa fé e a certeza de que tudo começou lá em 2019 com vocês vai continuar. Isso é imorrível. Nós realmente, cada vez mais, estaremos no futuro do Brasil. É uma honra, uma satisfação de ver ressurgir a vontade, a perseverança e o orgulho de ter político no nosso Brasil”, disse.

Ao final da mensagem, Bolsonaro manifesta apoio à candidatura do PL na disputa pelo comando do Senado. “Boa sorte a todos vocês e, se o Marinho estiver por aí, um abraço Marinho.

Vamos juntos. O Marinho representa o que o Brasil quer para o Senado, (…) a volta da democracia, da liberdade, se Deus quiser até a vitória no dia 1º (de fevereiro)”, enfatizou.

CNN Brasil

SANTA MARIA: Presidente da Câmara, Arthur César faz visita a Fecam e abre caminho para fortalecimento do legislativo local

Na última sexta, 27, o presidente da Câmara Municipal de Santa Maria, Arthur César, visitou a Federação das Câmaras Municipais do RN, a Fecam.

Na oportunidade, Arthur deixou claro o interesse de firmar parcerias com a entidade, para o oferecimento de cursos gratuitos, dentre outros serviços.

Segundo a assessoria, o presidente da Câmara também tem interesse de firmar parcerias com outras entidades, como o ITEP, para a emissão de documentos gratuitamente.

Encontro entre Lula e Biden pode reduzir tarifas para o aço brasileiro nos Estados Unidos

SÃO PAULO (Reuters) – Os produtores de aço do Brasil aguardam com ansiedade a visita do presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao colega norte-americano Joe Biden no início de fevereiro como um primeiro passo mais concreto para revisão de tarifas que limitam exportações brasileiras da liga desde 2018.

Três missões brasileiras aos EUA já tentaram convencer os norte-americanos a retirarem ou flexibilizarem as medidas de proteção comercial sobre o aço impostas no governo de Donald Trump sob pretexto de garantia à segurança nacional, previsto na chamada “Seção 232” da legislação norte-americana.

Uma quarta missão já deveria ter ocorrido, mas as tratativas passaram por alguns entraves que incluíram a pandemia, troca do governo norte-americano e, agora, novo governo no Brasil.

“A expectativa é que com a maior aproximação do presidente Lula com o Biden haja uma maior receptividade aos nossos pleitos”, afirmou o presidente-executivo do Aço Brasil, entidade que congrega siderúrgicas do país, Marco Polo de Mello Lopes.

Na véspera, o Ministério de Relações Exteriores informou que os EUA decidiram encerrar tarifa antidumping imposta em 1993 sobre chapas grossas de aço carbono produzidas no Brasil, único país excluído da sobretaxa, segundo a pasta.

A medida veio depois de revogação de medidas restritivas contra laminados a quente, em outubro, e a frio, em julho.

Segundo o presidente do Aço Brasil, a retirada das medidas sobre os laminados e sobre chapa grossa – considerados como produtos acabados para uso em aplicações como veículos e grandes obras de infraestrutura – é uma sinalização positiva que traz uma “expectativa mais favorável” a uma eventual mudança nas restrições da Seção 232.

Com esse mecanismo, os EUA impuseram cotas fixas de exportação de aço ao Brasil, seu principal parceiro comercial no setor. No caso dos produtos acabados – os laminados e chapa grossa -, a cota se deu sob uma média das exportações realizadas entre 2015 e 2017 reduzida em 30%.

Como os produtos já eram alvo de processos antitruste que haviam reduzido as exportações do Brasil para os EUA, a média calculada pela cota acabou se dando sob uma base muito baixa, disse Lopes, acrescentando que no caso da chapa grossa a média a cota é de apenas 10 mil toneladas por ano.

“(O fim das ações antidumping) é uma boa medida no ponto que retira uma restrição, mas não favorece a exportação brasileira porque continuamos com o impedimento da 232, com o agravante das médias baixas”, disse Lopes.

Desde a imposição das medidas de salvaguarda de segurança nacional dos EUA (Seção 232), o setor siderúrgico nacional tem tentado uma revisão das cotas e mantém os pleitos agora com a visita de Lula a Biden.

O setor nacional pede o fim das cotas para aços semiacabados sob o argumento de que o material bruto é usado como matéria-prima pela indústria norte-americana produzir outros bens como laminados. “Se não for possível, que a gente trabalhe em um aumento importante da cota”, disse Lopes, em referência ao limite de 3,5 milhões de toneladas. No caso dos acabados, o pleito é retirada do redutor de 30% sobre a média calculada em 2018.

O presidente do Aço Brasil afirmou que a entidade teve uma reunião como o ministro das Relações Exteriores, Mauro Vieira, na semana passada, quando tratou do assunto.

“Com a mudança da administração (no Brasil), vamos ter um primeiro movimento que é ida do presidente Lula aos EUA e a ideia é que tão logo seja possível enviemos uma nova missão nossa”, disse Lopes.

O comércio siderúrgico envolve 3,2 bilhões de dólares em aço do Brasil para os EUA, dos quais 85% são semiacabados, e cerca de 1 bilhão em carvão dos EUA para o Brasil, maior importador do produto norte-americano, disse Lopes.

BRASIL247

RN terá pela primeira vez um Comitê Federativo formado pelo Governo do Estado e FEMURN

O Rio Grande do Norte terá um Comitê Federativo, que reunirá integrantes do Governo do Estado e da Federação dos Municípios de Rio Grande do Norte (Femurn). A proposta de criação dessa instância é algo inédito no Estado e foi apresentada pela governadora Fátima Bezerra (PT) em reunião com o presidente da Federação, Luciano Santos, e integrantes da nova diretoria. O encontro foi realizado na última quinta-feira (19), na sala de reuniões da governadoria.

“É nesse comitê federativo que vamos dar prosseguimento a todas as pautas, às agendas, às demandas que são do interesse dos municípios e que dizem respeito ao governo do estado do Rio Grande do Norte. Ou seja: ao invés de a gente se reunir só quando o problema aparece, vamos nos reunir de maneira permanente”, explicou a chefe do executivo estadual.

Para Fátima, todo esforço deve ser feito através de “um diálogo permanente, com transparência, respeito e senso de responsabilidade, para que a gente possa somar na defesa dos interesses do municipalismo, ou seja, na defesa da população das cidades”.

A importância que o Governo do Estado quer dar ao Comitê Federativo, segundo a governadora, está expressa na indicação de “três secretarias importantes e estratégicas”: a Secretaria de Gestão e Projetos Especiais, a Secretaria de Tributação e a Secretaria de Planejamento e Finanças.

“Fazemos uma avaliação positiva do encontro. Colocamos algumas pautas que já vinham sendo reivindicadas pela Federação dos Municípios, em anos anteriores, inclusive pela gestão do presidente que me antecedeu, Babá. Essas pautas foram colocadas, a Governadora se dispôs a avançar em todas elas, criando um comitê federativo pra que a gente consiga obter êxito nas ações que pautamos”, avaliou o novo presidente da Femurn para o biênio 2023-2024, Luciano Santos, prefeito do município de Lagoa Nova.

As pautas levadas à governadora dizem respeito à discussão conjunta de formas de compensação das perdas de ICMS, estruturas de funcionamento das Microrregiões de Água e Esgoto, entre outras, que deverão ser levadas ao Comitê Federativo.

Jana Sá – Saiba Mais

Lula demite comandante do Exército e nomeia general que defendeu resultado das urnas

O substituto será o atual comandante militar do Sudeste, general Tomás Miguel Ribeiro Paiva, que defendeu o resultado das urnas como princípio de hierarquia e disciplina

247 – O presidente Luiz Inácio Lula da Silva demitiu neste sábado o general Júlio César de Arruda do cargo de comandante do Exército.

O substituto será o atual comandante militar do Sudeste, general Tomás Miguel Ribeiro Paiva.

Júlio César de Arruda assumiu interinamente o comando do Exército em 30 de dezembro do ano passado, ainda no governo Jair Bolsonaro.

Foi um acerto com a equipe de transição de Lula para que a troca do comando ocorres antes da posse do novo governo.

O general Tomás Miguel Ribeiro Paiva fez na última quarta-feira um discurso enfático em defesa do resultado da urnas, que levou Lula à Presidência da República.

Tomás Paiva foi chefe de gabinete do general Eduardo Villas Bôas, que comandou o Exército durante o governo de Dilma Rousseff e no governo Temer, e publicou os tuítes em abril de 2018, para pressionar o Supremo Tribunal Militar, no julgamento do habeas corpus que evitaria a prisão de Lula.

BRASIL247

Ministro de Lula nomeia a si mesmo para cargo com remuneração que pode superar R$ 20 mil

O ministro da Previdência Social, Carlos Lupi (PDT), nomeou a si mesmo como membro titular do conselho fiscal do Serviço Social do Comércio (Sesc). A indicação foi oficializada por meio do Diário Oficial da União (DOU) no início de janeiro.

Os membros deste conselho são remunerados por meio de jetom, portanto recebem conforme participam de reuniões. A CNN apurou que durante o governo de Jair Bolsonaro (PL) o comparecimento em cada encontro correspondia a R$ 3,5 mil.

São realizadas seis reuniões ordinárias por mês — o que resultaria em um pagamento de R$ 21 mil mensais. O pedetista, que acumulará funções, recebe cerca de R$ 39,2 mil como ministro do governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Na mesma publicação, Lupi nomeou o tesoureiro do PDT, Marcelo de Oliveira Panella, para o conselho fiscal do Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac).

Enquanto Lupi fica com a cadeira antes ocupada pelo ex-ministro do Trabalho e Previdência Social Onyx Lorenzoni (PL), Panella substitui o ex-ministro da Casa Civil Ciro Nogueira (PP).

Os conselhos fiscais de Sesc e Senac contam ainda com outros membros do governo federal, representantes de centrais sindicais e da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

O peso de voto é igual para todos os sete conselheiros que compõem colegiado, e os mandatos são de dois anos.

CNN Brasil

PL negocia nome da ex-primeira-dama Michelle Bolsonaro para as próximas eleições

O Partido Liberal (PL) tem o interesse e negocia para o nome da ex-primeira dama, Michelle Bolsonaro, concorrer as eleições em 2024 e 2026. O PL acredita que ela seria herdeira dos votos do seu marido, o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL).

No entanto, a aplicação de esforços em torno do nome dela vai depender de como será a vida do ex-presidente daqui para a frente, até mesmo diante da Justiça, se ele ficará inelegível ou não.

Antes do nome de Michelle ser cogitado como alternativa, o PL iria realizar uma pesquisa interna focada em Bolsonaro, mas o partido cancelou a realização do material, que estava previsto para a última quinzena do mês de janeiro.

O objetivo da pesquisa era entender o sentimento dos apoiadores do ex-presidente após ele deixar o país no final de 2022, antes da posse novo presidente, Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Tal pesquisa teria até 12 questionamentos focados na visão do eleitor sobre a repercussão da saída de Bolsonaro, além da avaliação do governo de Lula e já com foco nas eleições de 2024.

Por Tribuna do Norte.

Rogério Marinho: “Espero que não haja atos extremos contra Bolsonaro”

Candidato de Bolsonaro à presidência do Senado, Rogério Marinho, do PL, afirma ser “urgente restabelecer a normalidade do Judiciário”. Nesta entrevista à coluna, disse ainda esperar que “não haja atos extremos contra Bolsonaro”, alvo de inquéritos no STF relatados por Alexandre de Moraes.

Segundo Rogério Marinho, que foi ministro de Bolsonaro, a pacificação do país passa pelo fim do inquérito das fake news, que configuraria um “regime de exceção no país”.

Indagado sobre se pretende pautar o impeachment de ministros do Supremo, caso assuma o comando do Senado, o parlamentar afirmou que esse é um “instrumento extremo”. E que, antes, tentará o diálogo.

Marinho é hoje o principal adversário de Rodrigo Pacheco, atual presidente do Senado, na corrida ao comando da Casa.

Por que o senhor quer presidir o Senado?

Acho que é uma missão: dar àquela Casa a relevância que ela sempre teve no passado.

E por que ela perdeu a relevância?

Por omissão. Nossa principal crítica à atual administração é que, em momentos críticos e importantes dos últimos acontecimentos nacionais, houve uma omissão na defesa das prerrogativas de seus membros. O Brasil precisa ser pacificado. Precisa que o Senado cumpra seu papel para defender sobretudo a nossa Constituição.

O Brasil vive um regime de exceção desde março de 2019, quando começou o inquérito das Fake News. Uma série de medidas, que estão fora do ordenamento jurídico ordinário, foram tomadas desde então. Isso gera insegurança jurídica.

Você vê parlamentares amordaçados pela censura prévia. Impedidos de usarem suas redes sociais e de exercerem na plenitude as prerrogativas de seus mandatos. E isso é intolerável no regime democrático.

O inquérito mencionado pelo senhor tem Bolsonaro como um dos principais investigados. Há o temor de que Alexandre de Moraes determine a prisão do ex-presidente?

Acho que o país precisa de pacificação, né? O presidente (sic) Bolsonaro representa hoje seguramente a metade do país. É importante que tenhamos a condição de que cada ator político possa exercer o seu papel.

O ex-presidente Bolsonaro, sem dúvida, é uma peça importantíssima nessa necessidade de fazer uma oposição responsável e inteligente ao governo que aí está. Bolsonaro peça importantíssima para que a democracia tenha vigor, vitalidade.

Esperamos que não haja atos extremos. Isso não pacifica nem ajuda no processo natural, que todos desejamos, de distensão.

Um antigo desejo de Bolsonaro é pautar o impeachment de ministros do STF, sobretudo de Moraes. O senhor pretende fazer isso, se eleito presidente do Senado?

Esse é o instrumento mais extremo. Só pode ser colocado em prática se os demais falharem. A primeira ação necessária é o diálogo. Diálogo com legitimidade, com altivez e argumentos. Não tenho dúvida de que todos os brasileiros de bem querem a volta da normalidade democrática.

O Senado precisa dar esse pontapé. Não dá para ‘fulanizar’ esse debate, restringi-lo a um ministro apenas, por mais importantes que tenham sido as decisões que ele tomou. Até porque as decisões que ele tomou foram referendadas pelo plenário do STF.

Então, o debate terá que se dar entre instituições. Deve ser feito pelo Senado, capitaneado por um presidente que tenha essa vontade e disposição, e o Supremo, através do seu corpo representativo.

E se o diálogo não resultar no efeito que o senhor espera?

Aí nós passaríamos para os próximos passos que a Constituição nos permite. Por exemplo: na hora em que nossa prerrogativa é invadida, existe a possibilidade de projetos de decretos legislativos (PDLs) que resgatam essa condição originária que é de legislar.

Nós acreditamos que a Justiça precisa necessariamente ser inerte. Acredito que o Judiciário deve agir quando for provocado. E não de oficio ou por iniciativa dos próprios juízes.

Como avalia a prisão de Anderson Torres, seu ex-colega de Esplanada, e o afastamento do governador Ibaneis Rocha após as invasões aos Três Poderes no DF?

Pareceu-me que prender o secretario que estava fora do país foi um ato um pouco exagerado, assim como afastar um governador reeleito no primeiro turno. Afastar um governador é um ato extremo. Então me pareceu uma medida excessiva.

No STF, o que se comenta é que atos extremos requerem reações extremas.

Quando a democracia começa a ser atacada em nome da própria democracia, a gente precisa começar a se preocupar com o que está acontecendo. São tempos estranhos.

Por Coluna do Paulo Cappeli/Metrópoles.

Aliados de Pacheco estimam que presidente do Senado tem de 55 a 60 votos à reeleição

Aliados do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), ouvidos pela CNN sob reserva calculam que ele tem, no momento, entre 55 e 60 votos dos senadores pela sua reeleição à presidência da Casa. É preciso ao menos 41 votos favoráveis para ser eleito como presidente do Senado.

Senadores e auxiliares próximos a Pacheco consideram que o cálculo é difícil de se estimar com exatidão por se tratar de uma votação secreta – apesar de ser uma votação nominal, os posicionamentos de cada senador não serão divulgados.

Os maiores partidos que apoiam a reeleição de Pacheco são PSD, ao qual é filiado, MDB e PT. O União Brasil, do ex-presidente do Senado Davi Alcolumbre (AP), também deve apoiar a candidatura de Pacheco.

A tendência, segundo aliados do senador, é que o MDB mantenha a indicação à primeira vice-presidência do Senado. Atualmente, o cargo é ocupado pelo senador Veneziano Vital do Rêgo (PB).

O PT pode ficar com a primeira-secretaria: uma espécie de zeladoria do Senado, responsável pela administração geral da Casa, e, portanto, com muito poder nos cargos internos do Senado.

CNN Brasil

Candidatura de Rogério Marinho à presidência do Senado é enfraquecida por atos golpistas

Integrantes do PL consideram que a candidatura de Rogério Marinho já surge enfraquecida. Foto: José Aldenir

As invasões e depredações de golpistas bolsonaristas de 8 de janeiro atingiram a candidatura do ex-ministro Rogério Marinho à presidência do Senado.

Senador eleito pelo PL/RN, Marinho é ex-ministro de Desenvolvimento de Jair Bolsonaro e sua candidatura está muito ligada ao ex-presidente.

Na avaliação de aliados do senador norteriograndentse, eleito no último pleito, os ataques golpistas criam um temor em eleger um nome ligado ao bolsonarismo neste momento devido às ações, apesar de o ex-ministro não compactuar com os atos.

Com isso, integrantes do PL consideram que a candidatura já surge enfraquecida. A cúpula do partido, porém, não fará nenhum movimento para retirá-la.

Agora RN