Em tribunal, Neymar diz que assinava os documentos que seu pai pedia

Em depoimento antecipado na Justiça espanhola, Neymar afirmou nesta terça-feira que seu pai era quem cuidava das negociações em transferências de clubes e que apenas “assinava” os documentos que seu pai pedia. O atacante deu depoimento no julgamento em que enfrenta acusações de corrupção e fraude na sua transferência do Santos para o Barcelona, em 2013.

“Meu pai sempre cuidou das negociações de contrato. Eu assino o que ele pede”, declarou o jogador, atualmente no Paris Saint-Germain. Neymar esteve no tribunal na segunda e voltou nesta terça após decisão de antecipar seu depoimento para evitar conflitos com a agenda de jogos da equipe parisiense.

Neymar foi questionado pela Procuradoria se participou dos contatos com o Barcelona para a sua saída do Santos. O jogador de 30 anos disse não se lembrar e reiterou as decisões do seu pai e empresário. “Meu pai sempre cuidou de tudo isso, sempre foi o responsável por isso.”

O Ministério Público da Espanha acusa Neymar e seus pais de corrupção e fraude. E pede dois anos de prisão ao jogador e multa de 10 milhões de euros (cerca de R$ 51,8 milhões). Os ex-presidentes do Barcelona Sandro Rosell e Josep Maria Bartomeu encaram as mesmas acusações, com pedido de cinco anos de prisão, assim como o ex-presidente do Santos Odílio Rodrigues Filho.

Neymar e seu pai enfrentam acusações do Grupo DIS, que detinha 40% dos direitos econômicos do atleta na época em que ele deixou o Santos rumo ao Barcelona. A venda foi anunciada por 17,1 milhões de euros (R$ 88,7 milhões, pelo câmbio atual) e a empresa recebeu uma fatia de 6,84 milhões de euros. Depois disso, o Barcelona informou que o valor real da transação foi de 57 milhões de euros, e a diferença de quase 40 milhões de euros foi depositada para a empresa N&N, em nome dos pais do atleta.

Após uma investigação, o Barcelona revelou o contrato feito com Neymar. Os documentos mostravam um valor ainda maior do que o divulgado anteriormente: 86,2 milhões de euros, englobando pontos como luvas, um repasse ao Instituto Neymar Júnior e comissões ao pai do atacante. O DIS, portanto, alega que deveria ter recebido 34,5 milhões de euros e pede reparação na Justiça.

O caso, enquadrado pelo judiciário espanhol como possível caso de corrupção entre particulares, pode render até a prisão de Neymar, faltando quase um mês para o início da Copa do Mundo do Catar. A defesa do jogador aponta que a conduta não é considerada crime no Brasil e que, por isso, ele não poderia ser punido.

Estadão

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *