Silvério Alves

Silvério Alves

Doze ministros, incluindo Rogério Marinho e Fábio Faria, devem deixar cargo em março para lançar candidatura

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email

Ao menos 12 ministros devem disputar as eleições de 2022 e, assim, deixar seus cargos atuais até o fim de março do ano que vem. Se as candidaturas se confirmarem, quase metade da equipe ministerial atual, que tem 23 ministros, deixará o 1º escalão do governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

A lei determina que candidatos saiam do Executivo ao menos 6 meses antes da eleição. Veja na lista os integrantes do governo são cotados para vagas de Executivos estaduais ou para o Senado:

A exceção à regra dos 6 meses é para o vice-presidente Hamilton Mourão, que avalia disputar uma vaga no Senado no próximo pleito – pelo PRTB ou por um novo partido.

Segundo as regras do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Mourão pode continuar como vice-presidente durante a campanha. Mas ele não pode assumir a Presidência, em situações de ausência de Bolsonaro, no período.

Além desses ministros, o senador Ciro Nogueira (PP-PI), prestes a assumir o Ministério da Casa Civil, também pode deixar o cargo em março. Ciro Nogueira é pré-candidato ao governo do Piauí. Se a candidatura se confirmar, precisará deixar a cadeira de ministro daqui a cerca de 8 meses.

Fábio Faria (Comunicações) nega interesse em disputar o comando do Rio Grande do Norte (RN): “Jamais serei candidato ao governo”. Diz preferir concorrer ao Senado.

Mas o Poder360 apurou que, nos bastidores, aliados do ministro defendem a sua candidatura ao governo potiguar. Isso dependeria, entretanto, de um improvável acordo com o ministro Rogério Marinho (Desenvolvimento Regional), que também sonha em concorrer ao mesmo cargo em 2022.

Poder 360

Categorias