Silvério Alves

Silvério Alves

Países do G7 querem mais estudos sobre origem da Covid-19 e expressam preocupação sobre China

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email

Os líderes mundiais que participaram do encontro do G7  fizeram um apelo para um novo estudo sobre as origens do coronavírus, incluindo a China, depois que Pequim recusou-se a cooperar com um relatório inicial.

Eles também concordaram em uma declaração final contra os abusos dos direitos humanos na China, um assunto que foi calorosamente debatido a portas fechadas durante a cúpula.

E eles apontaram que a Rússia abriga redes que realizaram ataques de ransomware que causam danos a sistemas críticos, dizendo que os países devem fazer mais para lidar com a atividade criminosa dentro de suas fronteiras.

As autoridades americanas caracterizaram a abordagem em relação à China como um golpe para o presidente Biden, que entrou na cúpula com a esperança de convencer outros líderes a adotar uma linha mais dura.

Ele fez da competição entre democracias e autocracias o tema central de sua primeira viagem ao exterior e deseja que os líderes de outros países democráticos se pronunciem mais abertamente contra os regimes autoritários.

Biden encontrou resistência de alguns líderes europeus, que não compartilham da visão de Biden a respeito da China como sendo uma ameaça. Não estava claro antes da sessão final como a declaração conjunta trataria especificamente das práticas de trabalho forçado ou abusos dos direitos humanos.

Ao final, o comunicado final divulgado no domingo expressou “preocupação” sobre o trabalho forçado patrocinado pelo estado, particularmente nos setores agrícola, solar e de vestuário. Ele disse que a China deve respeitar os direitos humanos em Xinjiang, permitir um alto grau de autonomia em Hong Kong e trabalhar para evitar uma deterioração da segurança no Mar da China Meridional.

CNN Brasil

Categorias