Silvério Alves

Silvério Alves

Cidades na Espanha fazem protestos após morte de jovem gay brasileiro

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email

Na Puerta del Sol, em Madri, milhares se reuniram para protestar contra o assassinato de Samuel Luiz Foto: Reprodução

O jovem auxiliar de enfermagem Samuel Luiz Muñiz, de 24 anos, foi barbaramente espancado até a morte na madrugada de sexta para sábado em La Coruña, na Espanha, em um caso que despertou uma onda de protestos contra a homofobia no país. Na segunda-feira, houve manifestações com milhares de pessoas em Madri, Barcelona e outras cidades.

A polícia investiga se a morte do jovem — que, segundo a imprensa espanhola, tinha origem brasileira, mas chegou à Espanha com 1 ano de idade — foi um crime de ódio, conforme indicam denúncias de testemunhas.

O crime aconteceu em frente a uma boate, na segunda noite em que La Coruña abria suas casas noturnas até altas horas da madrugada. Na véspera, Samuel também saíra, aproveitando o começo do verão.

Segundo relato de Lina, amiga de Samuel que testemunhou o crime, ao jornal espanhol El Mundo, a dupla deixou a casa noturna pouco antes de 3h da manhã para fumar e fazer uma videochamada para Vanesa, namorada de Lina.

Em um momento da conversa, no entanto, eles foram intimidados por um jovem que passou acompanhado por uma mulher, e reclamou que estava sendo filmado. Enquanto tentavam explicar que estavam numa conversa, Samuel teria sido ameaçado:

— Ou pare de gravar ou mato você, viado — disse Lina a El Mundo, recordando os episódios.

Ainda segundo contou a testemunha, Samuel teria tido tempo apenas para responder “viado o quê?”, antes de ser agredido com um soco forte. Lina e um jovem desconhecido teriam conseguido separar e parar o agressor.

Minutos depois, no entanto, ele teria retornado com um grupo grande, que Lina calcula em 12 pessoas. Esse grupo teria espancado Samuel até a morte, aos gritos de “viado de merda”. Em seguida, fugido. Equipes de socorro tentaram reanimá-lo por duas horas, sem sucesso.

O pai de Samuel, Maxsoud Luiz, deixou uma mensagem escrita, na qual agradeceu os serviços de saúde “por todo o esforço feito”, expressando a dor da família porque “levaram embora a única luz que iluminou a nossa vida. Sabemos que ainda teremos um longo caminho a percorrer; seremos apoiados pela nossa família, amigos e colegas que nos ajudarão a sair deste caminho tenebroso”.

A polícia investiga o caso, mas ainda não confirmou nenhuma prisão. Um representante do governo da Galícia, José Miñones, disse que a polícia irá trabalhar com “absoluta discrição e sigilo”, sem confirmar a hipótese de homofobia, mas tampouco descartá-la.

— Estamos em um momento chave em um procedimento normal em que a obtenção de depoimentos e detalhes são muito importantes — explicou.

Ocorrido em plena Semana do Orgulho, o caso revoltou o país, e milhares de pessoas se reuniram em diversas cidades nesta segunda-feira, de Madri a La Coruña e Barcelona. Nas redes sociais, mensagens de solidariedade eram postadas com a hashtag #JusticiaParaSamuel.

A classe política espanhola também reagiu. “Todo o meu amor e apoio à família e aos amigos de Samuel. E todas as minhas condenações a este crime de ódio. Queremos um país sem violência onde todos se sintam livres por causa de quem são. Que seja feita #JusticiaParaSamuel”, escreveu a ministra dos Direitos Sociais e secretária geral do partido de esquerda Podemos, Ione Belarra.

A ministra da Igualdade, Irene Montero, enviou o seu “afeto nestes momentos difíceis”: “Devemos construir uma sociedade mais livre entre todos nós, na qual não deixemos espaço para o ódio”, defendeu.

A organização Avante LGTB+, que convocou concentrações, pediu nas redes sociais “para se esclarecer se foi um assassinato homofóbico, conforme indicado por testemunhas”.

O Globo

Categorias