Silvério Alves

Silvério Alves

Contas de luz ficarão mais caras em junho com bandeira vermelha 2, anuncia Aneel

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email

Por falta de chuvas, as contas de luz ficarão mais caras em junho, com a adoção da bandeira tarifária vermelha de patamar 2, segundo anunciou a Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica). A mudança representará um custo adicional de R$ 6,243 para cada 100 kWh consumidos.

Em nota, a agência explicou que maio foi o primeiro mês da estação seca nas principais bacias hidrográficas do SIN (Sistema Interligado Nacional). Por isso, junho deve começar com os principais reservatórios em níveis mais baixos do que o normal para esta época do ano, o que indica redução na geração de energia nas usinas hidrelétricas e aumento de produção nas termelétricas.

“Essa conjuntura pressiona os custos relacionados ao risco hidrológico (GSF) e o preço da energia no mercado de curto de prazo (PLD), levando à necessidade de acionamento do patamar 2 da bandeira vermelha. O GSF e o PLD são as duas variáveis que determinam a cor da bandeira a ser acionada”, acrescentou a Aneel.

O governo publicou na sexta-feira (28) um alerta de emergência hídrica para o período de junho a setembro em cinco estados brasileiros: Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso do Sul, São Paulo e Paraná. É o primeiro alerta desta natureza em 111 anos de serviços meteorológicos no país.

Todas as unidades da federação atingidas estão na bacia do Rio Paraná, polo de produção agropecuária e de grandes hidrelétricas, como a Itaipu Binacional (foto acima). Na região, a situação é classificada como “severa” e a previsão é de pouco volume de chuvas para o período.

A medida corrobora as declarações do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e do ministro das Minas e Energia, Bento Albuquerque, de que o Brasil enfrenta a maior crise hídrica dos últimos tempos.

“Estamos vivendo aqui uma das maiores crises energéticas, crises hidrológicas, do país. Não chove, temos problema”, disse o presidente, em conversa com apoiadores na sexta-feira, transmitida pelo canal “Foco do Brasil”, no YouTube.

UOL com Estadão Conteúdo

Categorias