Entenda o porquê golpistas de Brasília NÃO são conservadores; o pior que nem sabem

Por @silverioalvesfilho

Para mim, um dos grandes problemas do bolsonarismo radical não é ser conservador, no sentido político-filosófico, mas ser reacionário e ignorante, achando-se conservador.

De fato, existem filósofos e intelectuais conservadores de respeito.

Eu, particularmente, gosto do trabalho do britânico Roger Scruton, falecido recentemente.

Há um livro dele trazido para o português intitulado “O que é conservadorismo?”.

Para ele, o conservadorismo poderia ser resumido como a compreensão de que coisas belas são dificilmente construídas, mas facilmente destruídas.

Nesse sentido, ele distingue o conservador do reacionário: enquanto o conservador enxerga a sociedade em toda a sua complexidade e aceita a necessidade de que sejam feitas reformas, o reacionário idolatra o passado e defende a destruição, ainda que simbólica, do presente e das propostas de mudança.

“O desejo de conservar é compatível com todos os tipos de mudança, desde que essa signifique continuidade”, escreve.

Deve-se considerar, portanto, que os golpistas que hoje invadiram a Praça dos Três Poderes, em Brasília, não são conservadores, mas reacionários, que idolatram um contexto passado de ditadura militar, enquanto desprezam as instituições democráticas que com tanta dificuldade foram solidificadas após a Constituição de 1988.

Um conservador, no sentido real da palavra, possivelmente não votaria em Lula, mas defenderia o respeito à sua vitória, na medida em que tal respeito representaria a continuidade democrática e o respaldo às instituições, sem as quais a harmonia da sociedade não se mantém.

Foi como os conservadores ingleses reagiram, por exemplo, à perda do poder para o partido trabalhista inglês, após décadas de monopólio conservador.

Nem o conservadorismo escapou da “destruição do pensar” causada pelo fenômeno do bolsonarismo radical.

CORREÇÃO: no título, o correto seria “porquê”, junto e com acento.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *