Operação da PF em São Gonçalo foi direcionada a Secretário de Saúde e Construtora

Quem leu o Mandado de Busca e apreensão da Operação Lectus II deflagrada hoje pela Polícia Federal e autorizada pelo juiz Mario Jambo, da 2ª Vara Federal do RN, nesta segunda-feira,19, observou que não houve nenhum mandado contra o prefeito ou ex-prefeitos de São Gonçalo do Amarante. 

O foco atual foi a Secretaria de Saúde do Município na figura do Secretário Jalmir Simões da Costa, que é o responsável pela pasta desde a Administração de Jaime Calado.

O objeto da investigação diz respeito a dispensa de licitação para contratação da construtora MA Engenharia para construção de 20 leitos clínicos para o Hospital de Campanha na cidade.

Ao longo da pandemia de Covid 19, contratos com dispensa de licitação e suposto direcionamento nos anos de 2020 e 2021, que somam R$ 3.531.800,00.

Segundo o Ministério Público do Estado, identificou-se pagamento de vantagem indevida a gestor do município, que se valeu de terceiro para receber a quantia suspeita.

No processo, há interceptações telefônicas e comprovantes dessas suspeitas transferências bancárias para justificar o pedido de busca e apreensão.

BUSCA E APREENSÃO NEGADA NA PREFEITURA

O juiz não autorizou a busca e apreensão no prédio da Prefeitura e justificou para “que não haja extensão desnecessária da diligência, a busca deve ser cumprida especificamente nas dependências da refrida Secretaria”.

Fonte: Blog do Gustavo Negreiros

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.