Pelé foi tão grandioso que parou até guerra civil na Nigéria

O Rei do futebol, Edson Arantes do Nascimento, faleceu, mas não Pelé, este é eterno. Afinal, legado não morre. O histórico camisa 10 colecionou grandes momentos na carreira e, dentre eles, provocou um cessar-fogo na guerra civil de Biafra, na Nigéria, em 1969.

Cessar-fogo

A Nigéria passava por uma guerra civil, em que a região de Biafra tentava conquistar a independência. O conflito colocou em lados opostos dois grupos étnicos do país: igbo e hausa, que dominavam o governo naquele momento.

Durante excursão do Santos pela África, o time paulista recebeu um convite para enfrentar um selecionado na Cidade de Benin, localizada estrategicamente entre a capital nigeriana, Lagos, e o estado de Biafra. Para acalmar o time paulista, houve a promessa de que haveria um cessar-fogo enquanto a delegação do Santos estivesse na região.

“Um dos meus grandes orgulhos foi ter parado uma guerra na Nigéria, em 1969, em uma das várias excursões que o Santos fez pelo mundo. Nós tínhamos um amistoso marcada na Cidade de Benin, que estava no meio de uma Guerra Civil. Só que o Santos era tão amado que as partes aceitaram um cessar-fogo no dia da partida. Ficou conhecido como o ‘Dia em que o Santos parou a guerra’”, contou Pelé, em post.

“Lembro bem que o empresário falou que alguns países que gostariam de nos ver jogando estavam em guerra. Mas ele conversou com as autoridades e fizeram uma trégua nos combates”, rememorou o ex-ponta-esquerda Edu, em entrevista ao jornal Gazeta Esportiva.

O jogo terminou 2 x 1 para o Santos, com gols de Edu e de Toninho Guerreiro. A guerra civil durou três anos, entre 1967 e 1970, e deixou cerca de 2 milhões de civis mortos.

Metrópoles

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *