Rosinaldo Luna estrela monólogo “Insight Insano”

Coma-se, devore-se e perceba que tudo que está em ti nada é seu, nem o pensamento…são máscaras… Máscaras que permitimos modelar por outros, que não são nós mesmos, que não estão preocupados conosco, mas obrigar nos fazer o que eles querem, que sejamos o que eles próprios jamais serão. Somos moldados para poderem esconder-se por trás de nós ou de si mesmos… (Ícaro)

Com esta fala, Ícaro convida a uma mudança, a partir de dentro. Esse grito conscientiza todos que estamos sempre preocupados em agradar o outro. E isto vai nos fechando, nos adoecendo até o momento que nos conscientizamos e quebramos a carcaça. Os padrões e protocolos que nos aprisionam.

Durante a pandemia o ator se reinventou, buscou novos formatos e descobriu novas formas de trabalhar. Invadiram as redes sociais, os streams, e partiram numa avalanche de lives, de video, performances e toda sorte de recursos criativos para não parar suas atividades e claro, não enlouquecerem. O resultado foi a descoberta de novos formatos e de novas formas de levar o teatro até os lugares mais improváveis, seja na telo da tv, do computador ou dos aparelhos celulares, o teatro esteve presente. Curando o tédio do isolamento e afastando os sintomas da depressão.

É nesse cenário que se desenvolve a temática do INSIGHT INSANO, monólogo escrito e encenado por Rosinaldo Luna, ator potiguar que traz para o palco seu Ícaro, personagem preso nos labirintos da mente, perdido no limbo, sem noção do espaço tempo, porém em busca de si. Ícaro está preso em sua mente e a única referência do externo é um jornaleiro que passa diariamente e que é uma holografia de si num passado distante, que passa todos os dias, no mesmo horário e que repete o mesmo ritual: joga um jornal e vai embora ignorando os gritos solitários do Ícaro o convidando para um chá.

Inspirado em dois textos psicológicos, O DIARIO DE UM LOUCO de Nicolai Gogol, teatrólogo russo e A VALSA Nº 06 de um dos maiores teatrólogos brasileiros, Nelson Rodrigues; Rosinaldo Luna foi buscar nesses dois autores, material para tratar sobre a loucura.

Tomando como base os padrões impostos pela sociedade: beleza, estéticos e materiais, temos em cena um homem enlouquecido sob a pressão social e os conflitos constantes por enquadramentos em discurso e posturas politicamente corretos, que geralmente vem de forma vertical, de cima para baixo e onde o simples fato de questionar pode tomar um rumo desastroso para o questionador.

A proposta desenvolvida é muito nova para todos os artistas envolvidos no processo. Os ensaios foram de forma virtual até as últimas semanas da montagem, partindo para o palco apenas para os desenhos de luz e som. A forma on line traz novos elementos que interferem de formas diversas. O gato, o cachorro do vizinho, o carro que para a visita que chega de forma inesperado no meio do ensaio, ou uma chuva torrencial que cai de repente não dando tempo para recolher material, uma vez que o ensaio se deva na área externa da casa. É talvez o trabalho mais solitário já realizado pelo ator. Este novo ambiente obriga o ator a desenvolver maneiras de distanciamento total dessas interferências.

O patrocínio para a montagem foi possível devido ao edital de auxilio emergencial da #LeiAldirBlanc #GovernoFederal, que tornou possível cobrir alguns custos, porém, foi preciso usar a verba de forma criativa e econômica, o que fez o ator arregaçar as mangas e desenvolver um cenário desmontável, com baixo custo porém funcional, construir figurinos, elementos de cenografia etc. Os adereços de cena foram construídos com técnicas de artesanatos utilizando papel, papelão, revistas e cola. Produtos que seriam destinados ao lixo mas que nas mãos do artistas viraram objetos únicos para serrem usadas na peça. Tornando o trabalho também importante na construção do equilíbrio ecológico.

Fazer cultura nesse país, especialmente teatro nunca foi fácil. O ator sempre quebrou pedras com as unhas para construir suas estórias. Geralmente sem apoio, sem reconhecimento e sem espaços adequados para a plena realização do espetáculo. O ofício do artista sempre foi dolorido, seja em que área atue, sempre foi assim.

Nesses últimos tempos a coisa piorou, foram os primeiros a pararas atividades e serão os últimos a retomar, ao menos de forma presencial e plena. Porém a magia da arte é inerente a alma do artista. Se fortalece a cada muralha que precisam traspor. Aliás, a pandemia desencadeou dentre outros problemas uma nova onda de dor, a depressão; doença tratada como tabu por muitos, silenciosa, cruel e dolorosa. Mortal.

INSIGHT INSANO se faz necessário para todos os públicos, especialmente para empresas que buscam qualidade de vida para seus colaboradores, para alunos dos diversos cursos na área de saúde, principalmente saúde mental, encontros, conferências, simpósios, além da sociedade em geral.

É um espetáculo feito para você se questionar, se perturbar, te tirar do lugar.

A estreia acontecerá no dia 20/08/2021, as 19:30h no auditório da Se. Municipal de Educação de São José de Mipibú/RN de forma presencial com número reduzido de pessoas, respeitando o afastamento social.

OBS: USO DE MÁSCARA É OBRIGATÓRIO.

SERVIÇO:

TEATRO – INSIGHT INSANO

TEXTO: ROSINALDO LUNA

DIREÇÃO: MARINA GADELHA

DIR. MUSICAL: NILSON ELOY

PREP. CORPORAL: JANIELE ALLINE

CENOGRAFIA E ADEREÇOS: ROSINALDO LUNA

DE LUZ: JANIELE ALLINE
DE SOM AO VIVO: NILSON ELOI
PATROCINIO LEI ALDIR BLANC

SEC. NACIONAL DE CULTURA E TURISMO

GOVERNO FEDERAL

LOCAL: AUDITORIO DA SEC. MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SÃO JOSÉ DE MIPIBU

ENDEREÇO: RUA 15 DE NOVEMBRO, CENTO, SÃO JOSÉ

HORA: 19:30h

TRANSMISSÃO AO VIVO PELO YOUTUBE

CANAL TV ENGENHO CULTURAL

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.