Silvério Alves

Silvério Alves

Para refletir: “Que eu nunca me perca de mim”

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email

Nesta segunda-feira, 21 de junho, início da festa de São João, que mais uma vez será diferente, para que possamos evitar o contágio da mortal peste pandêmica chamada Covid-19, que só no Brasil já tirou a vida de mais de 500 mil pessoas. Tempos também de um radicalismo político sem precedentes na história brasileira, que só enfraquece a nossa Democracia. Radicalismo que não ajuda em nada a resolver os graves problemas que afligem a nação brasileira, vale a pena ler e refletir o belo texto escrito por Renata Fagundes, publicado pela Educadora Cruzinha Campos, na sua rede social Facebook.

“Que minhas cicatrizes, desenhadas pela vida, sejam vistas com gratidão. Que minhas rugas presenteadas pelo tempo, não me impeçam de sorrir grande. Que meu choro mais dolorido, não me vista de amargura. Que minhas vitórias, sejam comemoradas até a exaustão. Que minhas escolhas erradas, não permitam que eu esqueça meu valor. Que eu nunca me iluda com títulos, cargos, coisas materiais e gente de mentira. Meu caráter, meus valores, não suportariam. Que eu aprenda a ser generosa comigo, relaxe e não me cobre tanto, a maioria das coisas e pessoas podem esperar. Que nessa estrada chamada vida, eu perca o sono, a hora, o ônibus, a cabeça, a paciência. Mas que eu nunca me perca de mim.”

Renata Fagundes

Na foto acima, a Professora Cruzinha contemplando o entardecer na Barragem Campo Grande.

o

Categorias