Efeitos da guerra podem levar o quilo do pão para R$ 20 no Brasil, diz economista

O consumidor brasileiro já começará a sentir os efeitos da guerra no preço do café da manhã nos próximos dias, segundo a Associação Brasileira das Indústrias de Biscoitos, Massas Alimentícias e Pães & Bolos Industrializados (Abimapi). O quilo do pão pode chegar a R$ 20 em algumas cidades.

De acordo com a associação, isso deve ocorrer quando as indústrias comprarem as novas safras. A Abimapi afirma que a disparada da cotação do trigo começa a ser sentida pelos fabricantes nas negociações com os fornecedores, mas ainda existe a entrega de farinha compromissadas em contratos antigos.

Diante da nota divulgada pela Abimapi, em conversa com a CNN, o economista e professor do Ibmec Gilberto Braga observa que os consumidores brasileiros já estão sofrendo os efeitos da guerra em relação ao preço dos itens relacionados ao trigo. Gilberto acrescenta que, com a continuidade do conflito marcado pela Ucrânia e a Rússia, é possível que os preços das commodities aumentem.

“Embora ainda não tenha sido capturado nos indicadores de pesquisa oficiais, o consumidor percebe um aumento de, aproximadamente, 20% a 25% no preço do pão nas padarias e supermercados. Isso já sinaliza um aumento do preço do trigo na formulação do produto. A continuidade da guerra poderá decretar ainda um período de novos aumentos, mas é bastante provável que esse patamar mais caro continue, pelo menos até que se tenha uma previsão de quando o conflito da Ucrânia poderá terminar”, completa.

O economista avalia, ainda, o preço do quilo do pão localizado em padarias do Rio de Janeiro. Segundo o professor, antes da crise, o valor variava entre R$ 9 a R$ 12, mas agora o quilo está sendo vendido entre R$ 15 a R$ 20.

A Rússia é o maior exportador de trigo do mundo e tem sido afetado economicamente pelo conflito com a Ucrânia, afirma a Abimapi. Juntos, os dois países respondem por cerca de 30% das exportações mundiais de trigo.

A associação explica que o Brasil produz menos da metade do trigo consumido e precisa importar grandes quantidades do grão de países como a Argentina, Canadá e os Estados Unidos.

O consumidor brasileiro já começará a sentir os efeitos da guerra no preço do café da manhã nos próximos dias, segundo a Associação Brasileira das Indústrias de Biscoitos, Massas Alimentícias e Pães & Bolos Industrializados (Abimapi). O quilo do pão pode chegar a R$ 20 em algumas cidades.

De acordo com a associação, isso deve ocorrer quando as indústrias comprarem as novas safras. A Abimapi afirma que a disparada da cotação do trigo começa a ser sentida pelos fabricantes nas negociações com os fornecedores, mas ainda existe a entrega de farinha compromissadas em contratos antigos.

Diante da nota divulgada pela Abimapi, em conversa com a CNN, o economista e professor do Ibmec Gilberto Braga observa que os consumidores brasileiros já estão sofrendo os efeitos da guerra em relação ao preço dos itens relacionados ao trigo. Gilberto acrescenta que, com a continuidade do conflito marcado pela Ucrânia e a Rússia, é possível que os preços das commodities aumentem.

“Embora ainda não tenha sido capturado nos indicadores de pesquisa oficiais, o consumidor percebe um aumento de, aproximadamente, 20% a 25% no preço do pão nas padarias e supermercados. Isso já sinaliza um aumento do preço do trigo na formulação do produto. A continuidade da guerra poderá decretar ainda um período de novos aumentos, mas é bastante provável que esse patamar mais caro continue, pelo menos até que se tenha uma previsão de quando o conflito da Ucrânia poderá terminar”, completa.

O economista avalia, ainda, o preço do quilo do pão localizado em padarias do Rio de Janeiro. Segundo o professor, antes da crise, o valor variava entre R$ 9 a R$ 12, mas agora o quilo está sendo vendido entre R$ 15 a R$ 20.

A Rússia é o maior exportador de trigo do mundo e tem sido afetado economicamente pelo conflito com a Ucrânia, afirma a Abimapi. Juntos, os dois países respondem por cerca de 30% das exportações mundiais de trigo.

A associação explica que o Brasil produz menos da metade do trigo consumido e precisa importar grandes quantidades do grão de países como a Argentina, Canadá e os Estados Unidos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.