De Seu Raimundo: “Que a bala disparada não pegue em ninguém”

Na manhã de hoje, 13 de setembro, tive a grata satisfação de me encontrar, em nossa cidade, em frente ao comércio de nosso amigo André e Jaqueline (esquina da Otávio Lamartine com a Manoel Marques) com Seu Raimundo, nosso amigo de longas datas, dos tempos de Vavá de Barcelona, ele também natural daquele município, porém residindo em São Paulo do Potengi (terra que ele adotou com sua) há muitos anos.

Casado com Dona Rita, aposentado como Classificador de Algodão da Secretaria de Agricultura do RN, uma pessoa de bem e do bem, um exemplo de correção, ética, dignidade, respeito, com uma visão e conhecimento de mundo fantástica, temente a Deus, defensor fervoroso da fé e da família, um grande ser humano.

No encontro, ele sentado na sua moto, colocamos a conversa em dia, fazendo um balanço da situação atual porque passa o mundo, nosso Brasil, chegando ao nosso estado, e até ao nosso município, além de outros assuntos, como por exemplo comprar remédio cada vez mais caro para manter a saúde em dia, pois nem sem encontra os medicamentos de que necessita nos setores públicos de saúde.

Lá pras tantas, Seu Raimundo pronunciou uma frase que me chamou muito a atenção: “Que a bala atirada não pegue em ninguém”. Em seguida, ele me explicou o que quis dizer com tão significativa frase: “Vivemos num mundo e num país onde as dificuldades são muitas: fome, guerra, violência, morte, radicalismos cegos, poder opressor, falta de respeito a vida, especialmente a dos menos favorecidos, a maior parte, e assim por diante”.

Continuou o sábio amigo: ” O que eu quis dizer é que temos a obrigação enquanto seres humanos, de promover a paz, a justiça, o amor e o respeito entre as pessoas, independente do que elas sejam ou pensem, buscando combater e evitar que qualquer tipo de maldade, parta de onde partir, possa ferir ou tirar a vida de alguém”.

O homem é um sábio ou não é?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.