Silvério Alves

Silvério Alves

Alertas de desmatamento na Amazônia batem recorde em outubro, aponta Inpe

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email

Área de alertas detectada pelo Deter no mês foi de 877 km², alta de 5% em relação a 2020 e recorde da série histórica. Na COP26, que acontece em Glasgow, na Escócia, o Brasil ignorou os recordes de devastação e prometeu acabar com o desmatamento ilegal até 2028.

Dois dias depois de o ministro do meio ambiente afirmar na COP26 que o “futuro verde do Brasil já começou”, dados apontam que Amazônia Legal teve uma área de 877 km² sob alerta de desmatamento, uma alta de 5% em relação a 2020 e recorde para o mês na série história. Os números foram divulgados pelo Instituto de Pesquisas Espaciais (Inpe) nesta sexta-feira (12).

A Amazônia Legal corresponde a 59% do território brasileiro, e engloba a área de 8 estados (AcreAmapáAmazonasMato GrossoParáRondôniaRoraima e Tocantins) e parte do Maranhão.

Os alertas foram feitos pelo Sistema de Detecção de Desmatamento em Tempo Real (Deter), que produz sinais diários de alteração na cobertura florestal para áreas maiores que 3 hectares (0,03 km²) – tanto para áreas totalmente desmatadas como para aquelas em processo de degradação florestal (por exploração de madeira, mineração, queimadas e outras).

Na COP26, que acontece em Glasgow, na Escócia, o Brasil tem ignorado os recordes de devastação e prometeu acabar com o desmatamento ilegal até 2028 (veja detalhes da promessa do Brasil na COP mais abaixo).

Para Márcio Astrini, secretário-executivo do Observatório do Clima, os dados mostram que o governo brasileiro não tem a menor intenção de cumprir os compromissos assinados na COP26. “As emissões acontecem no chão da floresta, não nas plenárias de Glasgow”.

G1 – Foto: Evaristo Sá/AFP

Categorias