Emparn prevê trimestre com chuvas de normal a acima do normal no RN

O cenário para chuvas é favorável para o período de fevereiro a abril de 2022 no Norte do Nordeste do Brasil. Para a região do semiárido do Rio Grande do Norte, o prognóstico é de volumes de normal a acima do normal. Esse foi o resultado divulgado nesta quinta-feira (20) da Reunião de Análise e Previsão Climática para o Norte do Nordeste do Brasil, coordenada pela FUNCEME – Fundação Cearense de Meteorologia, que contou com a participação da equipe da Empresa de Pesquisa do Rio Grande do Norte (Emparn) e de diversos pesquisadores e especialistas de centros estaduais de meteorologia do Nordeste e outras instituições.

“A atuação da Zona de Convergência Intertropical (ZTCI) associada ao esfriamento das águas do oceano Pacífico (Lã Niña) são algumas das condições meteorológicas que se apresentam favoráveis para a ocorrência de chuvas no RN no próximo trimestre”, disse o chefe da unidade de Meteorologia da Emparn, Gilmar Bristot

A temperatura das águas superficiais dos oceanos Atlântico e Pacífico, a condição dos ventos alísios de sudeste e o deslocamento da Zona de Convergência Intertropical (ZCIT) sobre a região foram alguns dos parâmetros que os pesquisadores avaliaram durante a reunião realizada na última quarta-feira (19) por vídeo conferência.

Agora RN

Vídeo: Cheia do riacho Várzea do Milho, em Tangará/RN

O riacho Várzea do Milho, localizado em Tangará/RN, colocou cheia nessa sexta-feira, 14 de janeiro, devido as boas chuvas que caíram naquele município. Vídeo enviado pelo proprietário da Rádio Potengi AM, Theodorico Neto.

Cerca de uma hora de muita chuva, em São Paulo do Potengi

Na manhã deste sábado (dia de feira) 15 de janeiro, por cerca de uma hora caiu uma chuva forte em nossa cidade. Os feirantes bastante satisfeitos pela bendita chuva enviada pela mãe natureza.

O tempo na região está bastante nublado.

Teremos outras informações.

Meteorologista explica chuva com ventos fortes no interior do RN: ‘não é comum’

Para o sertanejo, a chuva é sinônimo de alegria e felicidade, como uma resposta para a maior parte do ano e calor e seca. Em meio à comemoração das chuvas no interior do Rio Grande do Norte neste ano, veio também uma certa preocupação com eventos como alagamentos, queda de granizo e fortes ventos. Esse último caso aconteceu com mais intensidade na cidade de Lagoa Nova (RN), na Serra de Santana (RN), nessa quinta-feira (13). O meteorologista Gilmar Bistrot explicou que esse fenômeno não é comum na região.

Imagens que circulam nas redes sociais mostraram o impacto provocado pela forte ventania durante as chuvas na cidade. Uma residência teve o teto da garagem arrancado pelo vento, a cobertura de um ginásio poliesportivo cedeu e um muro caiu sobre carros que estavam estacionados. Todos esses casos ocorreram na zona urbana do município. Pela força das chuvas, também foram registrados pontos de alagamento.

Meteorologista da Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte, Gilmar Bistrot explicou que não é comum a ocorrência de ventos fortes no interior do Estado. “Depende de alguma situação. Como nós tivemos formação de [nuvens] cumulonimbus, que causou granizo na região de São Vicente e São José do Seridó, provavelmente ela desprendeu a condição ao redor dos municípios vizinhos, fazendo com que o ar se deslocasse com muita intensidade”, detalhou o meteorologista.

É como se as nuvens cumulonimbus formadas nas cidades onde houve chuva de granizo tivesse “chupado” o ar. “Ela [a nuvem] tem um centro de massa e uma pressão muito intensa, que ela suga e causa um deslocamento acentuado no ar, provocando assim as ventanias”, explica Gilmar Bistrot.

O meteorologista explicou que a formação desse tipo de nuvens ocorre geralmente no período da tarde, influenciada pelo calor. A formação do relevo na Serra de Santana também é um fator que favorece as ventanias.

Tribuna do Norte

EMPARN prevê chuvas em todas as regiões do RN até o dia 20; Defesa Civil irá monitorar precipitações

Várias cidades potiguares tem visto a chuva chegar e molhar terras e plantações. Segundo informações da Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (EMPARN), as precipitações devem continuar em todas as regiões do Rio Grande do Norte até o dia 20 de Janeiro.

Em todo o estado, a região Alto Oeste foi a que registrou a melhor quantidade de chuvas. São Miguel, Major Sales e Coronel João Pessoa, Venha Ver e Garganta são Algumas das cidades que estão presentes na região.

Na quinta 13, chuvas de granizo foram relatadas em cidades como Lagoa Nova, São José do Seridó, Jardim do Seridó, São Vicente e Acari. Segundo Gilmar Bristot, pesquisador da EMPARN, comentou sobre o fenômeno.

“Não é normal acontecer uma chuva de granizo nessa faixa equatorial, aqui no Nordeste. A temperatura média é elevada na atmosfera, então você precisa ter uma formação de nuvens que formam o relâmpago e a trovoada para que isso aconteça”, disse ele, em entrevista ao Bom Dia RN/Inter TV Cabugi.

Na mesma entrevista, Gilmar também explicou que “a gotícula de chuva precisa ultrapassar a linha de congelamento na atmosfera” para que chuvas de granizo se formem, o que faz do fenômeno algo realmente raro.

Defesa Civil irá monitorar chuvas

A Defesa Civil irá monitorar as regiões potiguares durante todo o período chuvoso. Conforme informações divulgadas pelo Bom Dia RN/ Inter TV Cabugi, o órgão prepara “planos de contingência” (como resgate e abrigamentos) em casos de deslizamentos e enchentes. Segundo a DC, a região semiárida, pode sofrer com “episódios extremos” causados pela chuva. Mas os planos de contingência ajudariam nesse caso.

Agora RN – Foto: Maria Lima

Moradores registram chuva de granizo no Cariri paraibano

Moradores da região do Cariri paraibano registraram chuva de granizo, na tarde desta quarta-feira (12), no município de Assunção. De acordo com a Agência Executiva de Gestão das Águas do Estado da Paraíba (Aesa-PB), esse fenômeno também aconteceu no Sertão do estado e Curimataú, nas cidades de Soledade e Juazeirinho, região onde chuvas intensas são provocadas normalmente durante este período do ano.

Nas imagens, é possível perceber que a água cai no solo em seu estado físico sólido, em formato de pequenas bolas de gelo. Conforme a Aesa, o granizo se formou a partir de uma nebulosidade chamada Cumulonimbus (CB). Esse tipo de nuvem é comum ocorrer na região do semiárido paraibano, especialmente nos meses de dezembro, janeiro e fevereiro.

Segundo Carmem Becker, meteorologista da Aesa, na linguagem popular dos sertanejos, essa nebulosidade chama-se “torre”, porque é uma nuvem que se desenvolve verticalmente, com bastante intensidade e se forma em curto intervalo de tempo e é bastante forte.

“Essas nuvens provocam pancadas de chuva, na maioria das vezes, fortes, com raios e trovões e, em alguns casos, há precipitação de granizo”, afirmou Becker.

Cariri Ligado

A Barragem de Oiticica amanheceu ‘sangrando’

A Barragem de Oiticica localizada no município de Jucurutu, zona oeste do Rio Grande do Norte, amanheceu sangrando nesta sexta-feira, 7 de janeiro.

Segundo o Blog Atual, em Senador Elói de Souza choveu 150 mm

Para alegria especialmente do homem e da mulher do campo, incluindo todos nós que residimos no semiárido nordestino, essa segunda-feira, 3 de janeiro de 2022, foi um dia bastante promissor, com boas chuvas, caídas, em pelo menos67 municípios do Rio Grande do Norte.

A maior precipitação foi na Região Potengiense, em Senador Elói de Souza, onde segundo o Blog o Atual choveu 150 mm. O Rio Jundiaí (que corta a cidade) desceu com bastante água, vários reservatórios também receberam, em bom número, o precioso líquido, dentre eles o ” Açude do Governo”.

Choveu em diversas regiões do interior do RN neste domingo (26); em Marcelino vieira, 82 mm, em Doutor Severiano, 60 mm e em Rui Barbosa, 14,5 mm

O domingo (26) foi de registro de chuvas caindo em várias regiões do Rio Grande do Norte. Um dos locais que recebeu um ótimo volume de água foi o Sítio Juazeiro, no município de Marcelino Vieira, onde choveu 82 mm, somente na tarde de hoje.

Confira abaixo outros registro de chuvas de ontem para hoje, segundo informações da Emparn e parceiros:

▪︎Frutuoso Gomes = 40,0 mm
▪︎Sítio Exu (Almino Afonso) = 42,0 mm
▪︎Cruzeta = 22,0 mm
▪︎Ruy Barbosa = 14,5 mm
▪︎Serrinha = 3,4 mm
▪︎Lagoa de Pedras = 3,5 mm
▪︎ São José do Seridó = 6,0 mm
▪︎Monte Alegre = 2,0 mm
▪︎São Rafael = 4,0 mm
▪︎Portalegre = 8,0 mm
▪︎São João do Sabugi = 6,0 mm
▪︎Ouro Branco = 12,0 mm
▪︎Sítio Logradouro (Frutuoso Gomes) = 45,0 mm
▪︎Tenente Ananias = 27,5 mm
▪︎Sítio Santa Luzia(Doutor Severiano) = 60,0 mm
▪︎São Francisco do Oeste = 18,0 mm .

Mais uma barragem se rompe na Bahia; enchentes atingem 400 mil pessoas

Ao todo, pelo menos 19 municípios sofrem com enchentes; 18 pessoas morreram

Mais uma barragem se rompeu neste domingo, 26, ampliando o drama dos moradores do sul da Bahia. Segundo a Defesa Civil, mais de 400 mil pessoas sofrem com o rastro de destruição deixado pelas fortes chuvas nas últimas semanas. Dezoito pessoas morreram.

O rompimento da barragem ocorreu na cidade de Jussiape, na Chapada da Diamantina. A prefeitura recomendou em comunicado divulgado nas redes sociais que os moradores deixem suas casas e procurem abrigo numa escola municipal.

Em Itambé, também no sul da Bahia, a prefeitura emitiu um alerta de rompimento de uma barragem. A situação é dramática em 19 cidades no Estado.

As chuvas intensas também atingem o norte de Minas Gerais desde a semana passada.

Robson Pires

Estado do Nordeste tem 4,2 mil desabrigados por chuvas

Os números de desabrigados e desalojados no sul da Bahia por causa das chuvas que começaram na última quinta-feira (23) vêm aumentando.

A Defesa Civil do estado e as prefeituras das cidades atingidas informaram hoje (25) que são quase 4,2 mil desabrigados e mais de 11,2 mil desalojados. Os feridos são 286 e 17 morreram nas enchentes. A população atingida chega perto de 380 mil pessoas de 66 municípios, como Ilhéus, Porto Seguro, Prado e Vitória da Conquista.

No Twitter, muitos moradores publicaram relatos e vídeos das inundações. E o alerta sobre a região deve continuar. Segundo o  Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), a região sul da Bahia continua com status de Perigo e Perigo Potencial para chuvas intensas.

Fonte: Grande Ponto

Ciclone provoca chuvas de até 450 mm e causa calamidade na Bahia (BA)

Um ciclone extratropical formado na costa Sul do Brasil ajudou a provocar intensas tempestades em cidades do sul da Bahia (BA) nesta semana. Pelo menos 30 cidades decretaram situação de emergência.

Na cidade de Itamaraju (BA), três pessoas da mesma família morreram soterradas depois de um deslizamento atingir ao menos seis casas. A situação mais grave foi identificada no município de Jucuruçu (BA), que ficou submerso após rios transbordarem.

O governo da Bahia iniciou uma força-tarefa e enviou três aeronaves para atendimento específico de demandas urgentes de defesa social, informou a gestão estadual.

O Governador baiano, Rui Costa (PT), afirmou que estudos do governo vão servir de suporte para a definição de ações de reconstrução do que ficou destruído pela chuva.

“Vamos fazer um levantamento detalhado de tudo que precisa ser reconstruído: estradas, pontes e casas que foram destruídas. Mas só dá para fazer esse levantamento depois que a água baixar, porque você precisa ver o estrago, de fato, e a solução técnica que vai ser dada em cada ponto em que se perdeu aquela infraestrutura”, declarou.

Segundo meteorologistas, o ciclone formado no Atlântico Sul deve se intensificar ainda mais nesta sexta, mas não passa próximo à costa brasileira.

O centro de baixa pressão que formou o fenômeno está mais ao Norte do que o usual, o que fez com que formasse uma frente na altura no nordeste de Minas Gerais (MG), norte do Espírito Santo (ES) e oeste e sul da Bahia (BA).

Chuva rápida em São Paulo do Potengi na manhã desta segunda (6)

Na manhã desta segunda-feira, 6 de dezembro, caiu uma chuva rápida em nossa cidade, dando pra correr água nas biqueiras. O tempo ficou parcialmente nublado.

Tarde de chuva moderada, em São Paulo do Potengi

Começo de tarde de quarta-feira (17) chuvosa em São Paulo do Potengi. Chuva moderada com a água correndo nas biqueiras. Tempo parcialmente nublado em parte de nossa região. Uma verdadeira benção caída do céu. – Foto ilustrativa.

VÍDEO: Chuva de 100 mm surpreende moradores de Itaporanga/PB, na última quinta-feira (21)

Segundo o Jornal Folha do Vale Online, na última quinta-feira, 21 de outubro, uma chuva forte de 100 mm caiu na zona rural do município de Itaporanga localizado no Vale do Piancó, estado da Paraíba. Em Serra Grande a chuva de de 61 mm e em Caiana, de 92 mm.

Folha do Vale

Confira o vídeo abaixo:

Tarde chuvosa em São Paulo do Potengi

Tarde de sexta-feira (20) chuvosa em São Paulo do Potengi. Alternância de chuva moderada, em determinados momentos se ouve o som da água correndo nas biqueiras. O Tempo está parcialmente nublado.

RN tem o pior período de chuvas em cinco anos

Com redução nas chuvas em 2021, 62% dos municípios do Rio Grande do Norte entraram na faixa de locais com clima muito seco ou seco, segundo análise pluviométrica da Empresa de Pesquisa Agropecuária do RN (Emparn). No geral são 88 municípios, de todas as regiões, incluindo Natal, Mossoró e Parnamirim, classificados como clima “muito seco”; e 16 como “seco”.

Esse é o pior cenário desde 2016, quando o RN enfrentou crise hídrica em 150 dos 167 municípios. Somente 26 cidades potiguares registraram períodos chuvosos normais ou acima do esperado neste ano. Em todo o ano de 2020, apenas 10 cidades ficaram em situação de clima “muito seco”. A orientação das autoridades da área é otimizar o uso da água para evitar possíveis racionamentos.

De janeiro a julho deste ano, as chuvas ficaram 35,7% abaixo do esperado, conforme dados da Unidade Instrumental de Meteorologia da Emparn. O volume médio acumulado de chuvas observado foi de 477,7 milímetros (mm), bem abaixo do aguardado para o período do ano: 761,4 mm.

O período acende o sinal de alerta de gestores dos 47 reservatórios com capacidades superiores a 5 milhões de metros cúbicos responsáveis pelo abastecimento da população. Isso porque o volume total armazenado equivale a menos da metade da capacidade máxima: 47,26% ou 2,1 bilhões metros cúbicos. A esta altura, no ano passado, a “caixa d’água” do Rio Grande do Norte, isto é, a soma de todo o recurso natural armazenado, era de 2,4 bilhões de metros cúbicos (55,55%). Durante 2020, o volume médio registrado de chuvas foi de 910,1 mm.

Tribuna do Norte

Começo de tarde com chuva moderada em São Paulo do Potengi

Começo de tarde com chuva moderada (e rápida) em São Paulo do Potengi, dando pra ouvir o som da chuva nos telhados e a água correndo nas biqueiras. O tempo está parcialmente nublado.